LiteraTamy
LiteraTamy

junho 2017
D S T Q Q S S
« abr    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Categorias


LiteraTamy

Minha sombra cabe ali

Tamy GhannamTamy Ghannam
Imagem da capa
A pintura utilizada na capa foi feita pelo sobrinho do autor

Se um conto de Leon Idris nunca é apenas um conto, seus romances estão longe de ser apenas romances.

Em Minha sombra cabe ali empreendemos uma viagem a Cristina, Minas Gerais, juntamente com o primeiro narrador, que retorna à terra natal de seu avô paterno. Há algo de toda cidadezinha mineira transcrito com a simplicidade poética que lhes é característica. Adentramos a casa dos Azevedo, recepcionados pelas boas vindas dos ares e dos habitantes de Minas, como se de certa forma também houvesse qualquer coisa nossa por lá e a lá pertencêssemos. Ainda no primeiro parágrafo do livro, têm início as reflexões leonianas acerca do ser e do aproveitar sê-lo, descrições fluidas, isentas do determinismo, naturais a quem passa pela vida atento às possibilidades oferecidas por ela. As considerações íntimas do jovem narrador nos instigam a, junto com ele, expandir nossas percepções e enxergar além do aqui e do agora, produtos de um passado do qual nós nem sequer participávamos.

  O que verdadeiramente está em jogo no romance é a identidade. A história do narrador moço vai sendo costurada com retalhos familiares e as similitudes com seus antepassados são descobertas gradativamente, no tom de raiz que casa perfeitamente com a aura despojada de Minas Gerais. A revinda às origens é em tal grau fundamental que Cristina do século XXI abre espaço àquela de tempos passados e o narrador dá voz ao avô Armando e suas reminiscências, trazendo com ele personagens extremamente cativantes, que nos envolvem em laços afetivos.
  Como em toda boa autoficção, as barreiras entre fábula e realidade tornam-se ainda mais tênues com o aparecimento de acontecimentos e figuras históricas, mesclados ao destino de Armando, cujas preferências culminarão no estado atual do neto. Embora amiúde semelhantes, as disparidades entre as nuanças dos dois narradores foram sabiamente pontuadas com sutileza, perceptíveis na medida exata para manter as particularidades de cada um em sua própria investigação por si mesmo.
  O livro é de tal modo atrativo, que aos poucos também assumimos a posição do neto e do avô, percorrendo páginas já escritas por outrem, para, quem sabe, nos depararmos com algo sobre nós. E de fato nos deparamos.
  Minha sombra cabe ali desenvolve a influência da ancestralidade para questionar até que ponto nossas sombras já estavam sendo formadas enquanto ainda éramos ausência. Sublime desde o título até a última página, o livro revela, assim como a primeira publicação de Leon Idris, uma inquietude produtiva, tão bem exposta e potente que carrega consigo quem estiver no caminho. Ao terminar a leitura, que continua reaparecendo e indagando por tempos depois de finalizada, nos vemos como soma, conjunto de escolhas, indissociáveis do restante do universo, nossas sombras caminhando de mãos dadas com tantas outras…
ONDE COMPRAR?
 
 
Comprando através deste link, uma pequena parcela vai para o LiteraTamy. Não se esqueça de avaliar o livro para ajudar o autor a conquistar o prêmio Kindle de Literatura.
Tamy Ghannam 
(contato@literatamy.com)
Minha Sombra Cabe Ali Capa do Livro Minha Sombra Cabe Ali
Leon idris
Romance
Independente
Ebook

Um retorno à cidade de Cristina, interior do sul de Minas Gerais, faz ressurgir lembranças e uma voz que ninguém pôde ouvir.

"Eu queria ter o brio de um filósofo ou a inocência da mocidade para voltar a ver na finitude uma curva, um nó do tempo. Assim, a agonia poderia descansar e a memória deixaria de ser um lugar tão impiedoso às revisitações.
Caso alguém tenha descoberto esta escritura é porque cumpriu-se um desejo. Toda palavra quer romper o papel e ser lida, quer trair quem a colocou aqui e correr em direção a outros olhos, que possam entendê-la melhor e ver sentidos além dos planejados. Quem tira a palavra do silêncio não sabe do que ela é capaz. Há quem diga que ela pode sempre menos do que pensamos, que ela nunca alcançará a realidade plenamente. Mas a palavra quer sempre mais do que nós podemos dar."

20 anos, São Paulo, Letras. Apaixonada por literatura, compartilhando experiências literárias através da internet.

Comentários 1
  • dona perfeitinha
    Publicado em

    dona perfeitinha dona perfeitinha

    Responder Autor

    Gente, que resenha mais poética… que incrível escritora você também é, Tamy! Gostei muito mesmo e não quero perder quando você também embrenhar pela escrita, de terror ou qualquer outra que lhe pulsar uma história incrível. Um abraço! Talita Cavalcante.